Home Beleza 16 plantas de sombra para cultivar dentro de casa sem medo!

16 plantas de sombra para cultivar dentro de casa sem medo!

por Lud Hayashi

As espécies de sombra são aquelas que requerem exclusivamente luz indireta por, no mínimo, duas horas por dia. Em geral, são plantas nativas de florestas tropicais, que crescem sob o abrigo das copas mais altas. Quando expostas ao sol, costumam sofrer queimaduras nas folhas, motivo pelo qual se adaptam tão bem aos ambientes internos e prosperam em salas, quartos, cozinhas e escritórios.
Ainda assim, seu cultivo só é indicado em cômodos minimamente iluminados, que possam ser ventilados através de janelas. “Planta de sombra não é aquela que você condena à solitária. Treva total, como muitos lavabos e corredores, só planta artificial mesmo”, reforça a jornalista Ananda Apple, especializada em natureza.

Ao contrários do que muita gente imagina, elas não são as únicas que podem ser cultivadas dentro de casa. As plantas de meia-sombra também sobrevivem neste contexto, mas precisam de muito mais claridade, de forma que é melhor mantê-las próximas a uma janela ou mesmo na varanda.
Confira abaixo 16 espécies que, de fato, apresentam comportamento de sombra:

1. Lírio-da-paz

Tolerante a ambientes internos, o lírio-da-paz é uma ótima opção para decorar todos os espaços da sua casa  (Foto: Pexels / ignartonosbg / CreativeCommons)
Tolerante a ambientes internos, o lírio-da-paz é uma ótima opção para decorar todos os espaços da sua casa (Foto: Pexels / ignartonosbg / CreativeCommons)

Graças às flores brancas, a espécie é frequentemente relacionada ao símbolo da paz. Seu cultivo requer sompra e meia-sombra, e um bom substrato. Quando cultivado em ambientes internos, o solo pode ser misturado com vermiculita, que ajuda a manter a umidade.

2. Areca bambu

A areca-bambu, ou palmeira de jardim, também é eficiente na limpeza do ar (Foto: Pexels / Madison Inouye / CreativeCommons)
A areca-bambu, ou palmeira de jardim, também é eficiente na limpeza do ar (Foto: Pexels / Madison Inouye / CreativeCommons)

A areca-bambu é uma das 107 espécies do gênero chamaedorea, potenciais umidificadoras. É uma palmeira que gosta de sombra e condições úmidas, como nas florestas tropicais. Além de trazer umidade, filtra toxinas como formaldeído, tolueno e xileno.

3. Dinheiro-em-penca

Tostão, também conhecido como dinheiro-em-penca (Foto: Elisa Correa / Editora Globo | Produção Ellen Annora)
Tostão, também conhecido como dinheiro-em-penca (Foto: Elisa Correa / Editora Globo | Produção Ellen Annora)

Por conta das inúmeras folhas ovais, a espécie ganhou o nome popular de dinheiro-em-penca. Os ramos podem chegar a 15 cm e a espécie aprecia solo bem adubado e com boa permeabilidade, na sombra ou em meia-sombra.

4. Espada-de-São-Jorge

espada-de-são-jorge (Foto: Divulgação)
Acreditam que a espada-de-são-jorge tem o poder de cortar energias negativas (Foto: Divulgação)

Extremamente resistente, a espada-de-são-jorge sobrevive à sombra, meia-sombra ou sol. É associada ao poder de cortar energias negativas, como inveja, olho-gordo e mau-olhado. Essa espécie não exige regas constantes e é muito fácil de cuidar.

5. Maranta leuconeura

Planta maranta da variedade Maranta leuconeura (Foto: David J. Stang/Wikimedia Commons)
A maranta leuconeura requer regas de duas a três vezes por semana (Foto: David J. Stang / Wikimedia Commons)

Outra da turma fácil de cuidar, a maranta leuconeura é uma planta que prefere sombra ou meia-sombra, considerada uma tendência para ambientes internos. Também gosta de solo úmido – mas não encharcado –, o que requer regas de duas a três vezes por semana.

6. Jiboia

A jiboia pode ser conduzida como planta pendente ou trepadeira (Foto: Pexels / Владимир Гладков / CreativeCommons)
A jiboia pode ser conduzida como planta pendente ou trepadeira (Foto: Pexels / Владимир Гладков / CreativeCommons)

Super versátil, a jiboia pode ser plantada em vasos pequenos e crescer para baixo, criando cachos polpudos, que alcançam até 1,20 m de comprimento. Quando bem cuidada, pode até superar essa medida, desde que seu substrato seja mantido úmido, bem drenado e rico em matéria orgânica. Já em vasos maiores ou plantadas direto no solo, a jiboia pode crescer como trepadeira.

7. Zamioculca

Ideal para ser cultivada em ambientes internos, a Zamioculca não exige muito sol (Foto: Victor Affaro / Editora Globo)
Ideal para ambientes internos, a zamioculca pode ser cultivada em vasos (Foto: Victor Affaro / Editora Globo)

Com folhas brilhantes, a zamioculca não precisa de sol direto e se mantém saudável em locais com ar-condicionado. Pode ser cultivada em vasos ou em maciços. Apesar de não pedir podas, é importante retirar as folhas secas para que cresça saudável.

8. Comigo-ninguém-pode

Comigo-ninguém-pode - Diffenbachia (Foto: Wikimedia Commons / Creative Commons)
Comigo-ninguém-pode é considerada uma planta tóxica para animais de estimação (Foto: Wikimedia Commons / Creative Commons)

A planta é conhecida por atrair sorte, fortalecimento da união e prosperidade para a casa. A espécie deve ser cultivada em locais de meia-sombra ou sombra, mantendo seu substrato úmido. Requer atenção, pois é considerada uma planta tóxica para animais de estimação.

9. Cacto-macarrão

O cacto-macarrão é um dos poucos da espécie que consegue sobreviver em ambientes internos (Foto: GettyImages)
O cacto-macarrão é um dos poucos da espécie que consegue sobreviver em ambientes internos (Foto: GettyImages)

O gênero Ripsális corresponde aos poucos cactos que conseguem sobreviver na sombra. Por isso, são mais indicados para ambientes internos. Do final do inverno ao início da primavera, suas folhas ficam cheias de pequenas flores brancas ou rosadas.

10. Pau d’água

Para plantar o pau d'água, a terra deve ser aerada para drenar bem e rica em matéria orgânica (Foto: Unsplash / Severin Candrian / Creative Commons)
Para plantar o pau d’água, a terra deve ser bem drenada e rica em matéria orgânica (Foto: Unsplash / Severin Candrian / Creative Commons)

O pau d’água pode ser cultivado diretamente na terra e em canteiros. Entretanto, seu uso é mais frequente em vasos, devido a resistência da planta e a facilidade de se adaptar até em ambientes com ar-condicionado. A terra deve ser bem aerada e rica em matéria orgânica, para fazer uma boa drenagem.

11. Peperômia

A peperômia marrom, também conhecida como Peperomia caperata, é nativa do Brasil e apresenta folhas mais escuras e flores (Foto: Pixabay/Leoleobobeo/CreativeCommons)
A peperômia marrom, também conhecida como Peperomia caperata, é nativa do Brasil e apresenta folhas mais escuras e flores (Foto: Pixabay / Leoleobobeo / CreativeCommons)

Fáceis de cultivar, as peperômias são ideais para jardinheiros iniciantes, e um dos motivos disso é que elas demandam poucas regas. O excesso de água pode acabar comprometendo as raízes, fazendo com que a planta apodreça. Além disso, não atrarem muitas pragas.

12. Singônio

Singônio (Foto: Pedro Abude / Editora Globo)
O singônio é uma planta muito cultivada como forração (Foto: Pedro Abude / Editora Globo)

Além de ser uma ótima espécie para forração, o singônio também pode ser cultivado como trepadeira. Mas mantenha-o longe do alcance de animais e de crianças: a planta pode ser tóxica se ingerida. Gosta de solo úmido, mas nunca encharcado, e não tolera frio.

13. Pacová

Pacová (Foto: Edu Castello / Editora Globo)
O pacová não sobrevive em ambientes internos com ar-condicionado forte (Foto: Edu Castello / Editora Globo)

O pacová é uma ótima planta para ambientes internos, desde que não fiquem completamente fechados ou com ar-condicionado intenso. Prefere solo úmido, de forma que as regas devem ser feitas de duas a três vezes na semana.

14. Imbé

Imbé ou filodendro (Foto: Reprodução/Mercado Verde)
O imbé ou filodendro possui folhas grandes que se destacam em vasos dentro de casa (Foto: Reprodução / Mercado Verde)

Por terem folhas grandes, os filodendros tendêm a perder umidade mais facilmente, melhorando assim a umidade do ambiente ao seu redor. Conhecida também como imbé, a espécie precisa de rega apenas uma vez por semana e gosta apenas de luz indireta.

15. Hera

Pendente original. Os galhos de heras dão um show no suporte de plantas invertido, e sem a fibra de coco, pendurado no teto (Foto: Iara Venanzi / Editora Globo)
Os galhos de heras dão um show neste suporte de plantas invertido, e sem a fibra de coco, pendurado no teto (Foto: Iara Venanzi / Editora Globo)

Com crescimento rápido e folhagem exuberante, essa espécie vai bem tanto a sol pleno quanto em locais com sombra. É fácil de cuidar, tem crescimento rápido e dispensa podas: faça somente uma boa limpeza, retirando as folhas secas.

16. Pata-de-elefante

Pata de elefante (Foto: Evelyn Müller / Editora Globo)
A pata-de-elefante pode ser cultivada em vasos mais rasos e largos, pois não possui raízes profundas (Foto: Evelyn Müller / Editora Globo)

A pata-de-elefante é uma planta ornamental, que pode atingir 5 m de altura e possui uma base alargada, que lhe rendeu o nome popular. É uma espécie versátil, fácil de cuidar, resistente e que exige pouca manutenção. Graças à base volumosa, acumula muita água e tolera bem as secas. Sendo assim, a rega deve ser moderada e o solo bem drenado.

Artigos relacionados

Deixe um comentário