Home Noticias Brasileiros devem ser eleitos ao Parlamento da Itália

Brasileiros devem ser eleitos ao Parlamento da Itália

por Lud Hayashi
Dois brasileiros devem se sentar na Câmara dos Deputados da Itália a partir de 23 de março, quando terá início a legislatura eleita no pleito realizado no último domingo (4).
O arquiteto Fausto Longo, do centro-esquerdista Partido Democrático (PD) e atual senador da República Italiana, e o empresário e advogado Luis Roberto Lorenzato, da ultranacionalista Liga Norte, conquistaram vagas na Câmara para representar a circunscrição da América do Sul, segundo dados provisórios do Ministério do Interior.
A Itália permite que cidadãos residentes no exterior elejam 18 representantes no Parlamento, sendo 12 deputados e seis senadores. Esses parlamentares são divididos entre quatro circunscrições: América do Sul; América do Norte e Central; Europa; e África, Ásia, Oceania e Antártida.

Na América do Sul, os italianos elegem quatro deputados e dois senadores. O Ministério do Interior da Itália ainda não oficializou os nomes dos eleitos na região, mas, pela repartição dos assentos parlamentares entre os partidos, já é possível ter uma ideia de quem saiu vitorioso.
Senador desde 2013, Longo recebeu, até o momento, 8.906 votos e lidera a lista do PD, que conquistou uma vaga na Câmara. Já Lorenzato teve 11.106 e está em primeiro lugar na lista da coalizão da Liga Norte com os partidos Força Itália (FI), de Silvio Berlusconi, e Irmãos da Itália (FDI).
As outras duas vagas de deputado na América do Sul ficarão com os argentinos Mario Alejandro Borghese, do Movimento Associativo dos Italianos no Exterior (Maie) e deputado desde 2013, e Eugenio Sangregorio, da União Sul-Americana dos Emigrados Italianos (Usei).
Por outro lado, o Brasil não conseguiu eleger nenhum representante para o Senado: Ricardo Merlo (Maie), com 52.739 votos, que vai para seu quarto mandato, e Adriano Cario (Usei), com 21.868, ambos residentes na Argentina, foram os vencedores.
A apuração está na reta final, mas denúncias de irregularidades na votação no exterior, que é feita por meio de cédulas enviadas pelos correios, impedem a promulgação do resultado final.

Agência Ansa

Artigos relacionados

Deixe um comentário