Home Noticias Da peste bubônica ao novo coronavírus: as maiores pandemias da história

Da peste bubônica ao novo coronavírus: as maiores pandemias da história

por Lud Hayashi
A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou o novo coronavírus uma pandemia na última semana. A doença foi registrada pela primeira vez na China, na província de Wuhan no final de 2019. Entretanto, devido à alta taxa de transmissibilidade, o vírus se espalhou pelo mundo e chegou aos cinco continentes.
US Army/Domínio Público

US Army/Domínio Público

Devido ao risco de morte que oferece a determinados grupos, como idosos, doentes crônicos e pacientes oncológicos, o novo coronavírus foi a causa de cancelamentos de eventos esportivos, culturais e sociais. Além disso, muitos países, inclusive o Brasil, decretaram estado de calamidade pública e as pessoas têm recebido orientações para não sair de casa e entrar em quarentena.
O novo coronavírus tem índice de letalidade de 3,4%, conforme apontado pela OMS em 3 de março, mas este salta para 15% quando direcionado aos grupos de risco, especialmente aos idosos. Um grupo de pesquisadores da Universidade Harvard, os Estados Unidos, estima que, graças à alta taxa de transmissibilidade, o vírus pode infectar até 70% da população mundial, ou seja, mais de 5 bilhões de pessoas.
Diante desse cenário, o novo coronavírus já é tido como uma das maiores pandemias da história da humanidade. Mas você conhece quais outras pandemias marcaram o cenário mundial? Veja abaixo uma lista com outras grandes pandemias da história:
Peste bubônica
A peste bubônica teve sua origem no continente asiático e é causada pela bactéria Yersinia pestis, que foi transmitida às pessoas por ratos e pulgas infectadas. A doença chegou à Europa por meio de navios que chegavam da Ásia pelo Mar Mediterrâneo.
Os sintomas da peste bubônica são semelhantes aos da gripe: febre, dores de cabeça e vômitos. A prevenção da doença consiste em adoção de hábitos de higiene e saúde pública, o que era bastante precário na Europa na época em que a pandemia ocorreu.
A doença é chamada de peste bubônica porque, dentre os sintomas, é caracterizada por inchaços dos gânglios do sistema linfático, que são conhecidos como bubões. Estima-se que aproximadamente 50 milhões de pessoas tenham morrido de 1333 a 1351, ou seja, cerca de um terço da população mundial da época.
Cólera
A primeira epidemia global de cólera aconteceu em 1817. A doença é causada por uma bactéria, o vibrião colérico. A doença se espalha através de água ou alimentos contaminados e provoca uma diarreia intensa no indivíduo, que morre de desidratação. O tratamento é feito a partir de antibióticos, por ser uma doença bacteriana, mas sua prevenção é eficaz com o acesso a saneamento básico.
A doença teve várias outras pandemias regionais e globais e ainda não foi erradicada. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), de 100 a 120 mil pessoas morrem todos os anos contaminadas pelo cólera.
O escritor Gabriel García Márquez escreveu um best-seller chamado “O amor nos tempos do cólera”, que conta o romance de Florentino Ariza e Fermina Daza na América Latina do século XIX, que vivia um surto da doença.
Tuberculose
A tuberculose é uma antiga doença da humanidade, já que sinais da contaminação foram encontrados em esqueletos de mais de sete mil anos. Definida como o “Mal do Século” pelos poetas do romantismo brasileiro, a doença ataca o sistema respiratório e fez milhões de vítimas em todo o mundo, inclusive no Brasil.
A tuberculose é causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, conhecido como bacilo Koch. O surto de tuberculose ocorreu de 1850 a 1950 e somente começou a ser controlado após a descoberta do agente causador. Entretanto, a cura veio somente quando Alexandre Fleming descobriu a penicilina, em 1928. No período de surto, estima-se que mais de 1 bilhão de pessoas tenham morrido pela doença.
Altamente contagiosa, a doença é transmitida de pessoa para pessoa e, apesar de ser considerada controlada atualmente, afeta países pobres.
Varíola
A varíola é uma doença que esteve presente em grande parte da história da humanidade. Registros históricos mostram que o faraó Ramsés II morreu da doença em 1.145 a.C. Entretanto, o último caso natural da doença foi registrado em outubro de 1977, o que levou a OMS a certificar a varíola como erradicada na década de 1980.
A erradicação da doença ocorreu em virtude de uma campanha de vacinação em massa que ocorreu em todo o mundo. Estima-se que, de 1896 a 1980, mais de 300 milhões de pessoas tenham morrido por varíola.
A vacina contra a doença foi descoberta por Edward Jenner em 1796. Causada pelo vírus Orthopoxvírus variolae, os principais sintomas eram: febre, erupções na garganta, na boca e no rosto. O risco de morte da doença era de 30%, sendo superior em bebês.
Gripe Espanhola
Causada pelo vírus Influenza, é uma gripe forte que se propaga pelo ar. A epidemia do começo do século XX foi batizada de “Gripe Espanhola” em virtude do surto ter se iniciado, com mais intensidade, na Espanha. Contudo, o vírus não tem origem em terras espanholas.
Estima-se que mais de 50 milhões de pessoas morreram em todo o mundo vítimas dessa pandemia. Como o Influenza é um vírus que está em constante mutação, não existe um tratamento completamente eficaz para ele. Contudo, existem vacinas antigripais que impedem um novo surto de gripe espanhola.
Estima-se que 35 mil brasileiros morreram nessa pandemia – dentre eles, o presidente Rodrigues Alves, em 1919.
HIV
O HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) foi declarado pandêmico após 1980, quando os primeiros casos surgiram. O vírus leva à Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) e ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de infecções e doenças.
Considerado uma IST (Infecção Sexualmente Transmissível), o HIV é transmitido por meio do sangue, do esperma, da secreção vaginal e do leite materno contaminados com o vírus. Apesar de ter começado há mais de 30 anos, a pandemia de HIV ainda não foi dada como encerrada, já que a doença é recorrente em muitas regiões do mundo. Esse fato pode ser explicado porque ainda não foi descoberta uma cura para a doença.
Desde o início da pandemia, estima-se que mais de 22 milhões de pessoas tenham morrido em decorrência de doenças e complicações causadas pela Aids, como tuberculose e infecções. Apesar de ainda não existir cura para o HIV, o tratamento atual é altamente eficaz e pode, inclusive, baixar a carga viral para níveis indetectáveis, o que contribui para que a expectativa de vida de uma pessoa com HIV seja semelhante à de uma pessoa que não tem a doença.
Gripe Suína – H1N1
Assim como o coronavírus, essa epidemia se alastrou ao redor do mundo em poucos dias, trazendo sintomas similares aos de uma gripe forte. Foi causada por uma mutação do vírus Influenza que até então habitava apenas suínos, passando a atingir também humanos. Por isso, foi dado o nome de “Gripe Suína”.
Entre 2009 e 2010, estima-se de 17 a 18 mil pessoas morreram em todo o mundo vítimas dessa epidemia, que teria começado a se espalhar no México. Muitas pessoas morreram cerca de 48h depois dos primeiros sintomas.
A descoberta de vacinas contra o vírus impediu que novos surtos ocorressem. Contudo, o vírus continua sofrendo mutações e atingindo pessoas, de forma isolada, em todo o mundo.
Coronavírus
Os coronavírus são uma família viral conhecida pela ciência desde os anos 60, responsáveis por causar infecções respiratórias leves em humanos e animais. Em dezembro de 2019, uma nova modalidade desses vírus passou a se espalhar com muita rapidez a partir da China, causando uma epidemia global.
Apesar do vírus, por si só, não ser letal, ele se espalha com muita rapidez e causa morte principalmente entre pessoas consideradas dentro do grupo de risco – idosos, portadores de doenças respiratórias, diabéticos, cardíacos e outras doenças crônicas.
Até o momento há mais de 220 mil casos confirmados e quase 10 mil mortos no mundo todo. O Brasil, assim como vários países, tem adotado medidas para restringir a circulação de pessoas. A quarentena abrange o fechamento de comércios e de repartições públicas, suspensão de aulas e fechamento de fronteiras. Segundo os especialistas, o isolamento social é a melhor medida para frear a disseminação do vírus.

Artigos relacionados

Deixe um comentário