Casa Cultura Hiperconectados e solitários: o perfil dos jovens da Geração Z

Hiperconectados e solitários: o perfil dos jovens da Geração Z

por Lud Hayashi

Eles se consideram cidadãos do mundo, acreditam que seus feitos repercutem em instituições e empresas, são conscientes dos problemas da sociedade e que cada um deve ajudar a resolvê-los; além disso, são hiperconectados, mas se sentem solitários. Assim é resumido o perfil dos integrantes da chamada Geração Z.
A rede global de agências de publicidade McCann entrevistou 32 mil jovens nascidos depois da mudança do milênio em 26 países dos cinco continentes e divulgou os resultados em “A verdade sobre a Geração Z”.

Trata-se de um estudo realizado durante a pandemia de covid-19, que deixou ainda mais evidente que os humanos podem ser afetados pelo que acontece em qualquer lugar do mundo, assim como pensam os “Z”, disse à Agência EFE o diretor regional de estratégia do McCann Worldgroup para a América Latina e o Caribe, Josafat Solís. Os resultados indicam que não há grandes diferenças por regiões.
“Há muita consistência na Geração Z”, ressaltou Solís em entrevista em Miami, nos Estados Unidos, ao apresentar o relatório feito para ajudar as marcas a alcançarem esses jovens.

Conscientes e preocupados

O “grande foco” de preocupação da Geração Z é o sentimento de que a sociedade de hoje está em um ponto crítico e que o futuro é incerto, mas, mesmo assim, o receio é de que as coisas se mantenham como estão é maior do que o de uma mudança drástica.
Em nível mundial, 50% dessas pessoas temem a possibilidade de não haver mudanças, mas nos EUA a porcentagem sobe para 66%. No Brasil e na Alemanha, essa preocupação foi compartilhada por 60% dos entrevistados.
De acordo com Solís, em vez de pessimistas, esses jovens são conscientes das falhas da nossa sociedade e a maioria (64%) acredita que a melhor forma de resolver um problema é juntar pessoas que parecem diferentes e pensam de forma diferente.
Esta é a opinião de 81% dos “Z” colombianos, 75% dos mexicanos, 70% dos porto-riquenhos e americanos, 69% dos argentinos, 68% dos peruanos, 66% dos chilenos, 65% dos brasileiros e 64% dos espanhóis.
“É uma geração disposta a fazer a sua parte para que as coisas mudem, não estão à espera que outra pessoa o faça por eles”, comentou.
Além disso, estão conectados, mais do que qualquer outra geração, e recebem muita informação em tempo real, incluindo, obviamente, notícias falsas.

A solidão dos hiperconectados

Para metade da Geração Z, o principal benefício de estar nas redes sociais é o acesso a novas ideias.
Paradoxalmente – o que “impressionou realmente” os pesquisadores, segundo Solis -, foi que 66% se sentem frequentemente sozinhos, apesar de estarem rodeados de família e amigos. No Brasil e em Porto Rico, 75% desses jovens sentem a solidão dos hiperconectados.
Além disso, 76% concordam que “as ligações emocionais são mais fracas hoje do que no passado”. No Peru, por exemplo, nove a cada dez pessoas se sentem assim.
Quando questionados sobre o que pensam poder fazer para melhorar o próprio bem-estar, 36% disseram que preferem se afastar dos outros para se concentrarem em si mesmos.
O chefe de estratégia recomenda que as marcas tenham o cuidado de compreender como se comportam, o que sentem e o que exigem esses jovens que se movem de “forma compacta” e que levam em consideração as opiniões dos “influenciadores” e as críticas online ao escolherem um produto ou serviço.
Eles exigem qualidade e outros atributos do produto de uma marca, como qualquer outro consumidor. Mas os jovens da Geração Z dão tanta ou mais importância ao compromisso das marcas com a sociedade e ao que fazem em prol do avanço, explicou Solís.

Artigos relacionados

Deixe um comentário